http://contabilidadenatv.blogspot.com.br/2017/08/e-do-brasillll-pais-e-prata-em-ranking.html?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=2017_08_31_noticias_contabeis_da_manha&utm_term=2017-09-03
Airton Guerner  para Notícias Contábeis do Contabilidade na TV*
Todos nós já sabemos que o Brasil é um país burocrático, confuso e caro. É um assunto recorrente nas rodas de conversas onde o assunto é sobre a dificuldade de se fazer qualquer coisa neste país.
Mas se fizéssemos uma disputa entre os demais países para ver quem é o mais difícil de se trabalhar, como será que o Brasil se sairia?
Para não desapontar os seus generosos contribuintes, o Brasil ficou em segundo lugar em um ranking elaborado pela TMF Group, uma consultoria internacional focada no desenvolvimento de novos negócios pelo mundo.
Estes são os dez mais:
1. Turquia
2. Brasil
3. Itália
4. Grécia
5. Vietnã
6. Colômbia
7. China
8. Bélgica
9. Argentina
10. Índia
Para o diretor da TMF Brasil, Marco Sottovia, “além do atual cenário político e econômico, as complexas regulamentações fiscais e tributárias brasileiras dificultam cada vez mais a expansão das empresas no país.
Para se ter uma ideia, são aproximadamente 90 tributos e dezenas de obrigações acessórias. Estima-se que por não fazerem negócios em todos os estados, as empresas brasileiras seguem, em média, 3.8 mil normas. Para piorar, a extrema volatilidade das normas vigentes e as pífias tentativas de simplificação tributária mais atrapalham que ajudam, gerando um custo de 60 bilhões por ano com pessoal, sistemas e equipamentos só para acompanhar tudo isso.
Quem está começando agora pode achar que é exagero mas você sabia que o Brasil já editou e publicou, desde a constituição de 1988, mais de 5,4 milhões textos normativos?
São 769 normas por dia útil, segundo estudo feito pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT). No levantamento foram consideradas, além de leis, medidas provisórias, instruções normativas, emendas constitucionais, decretos, portarias e atos declaratórios.
Das 363 mil normas, 31.221 são normas tributárias federais; 110.610 são estaduais e 221.948 das cidades. Esse total representa média de 1,88 regras tributárias por hora em um dia útil.
Um fato curioso. O advogado mineiro Vinicius Leôncio levou 23 anos para reunir em um livro a legislação tributária do País. Sua obra acabou sendo indicada para o “Guiness World of Records”, como a mais volumosa e com o maior número de páginas do mundo. Ela pesa 7,5 toneladas e tem um total de 43.216 páginas (cada uma com 2,2 metros de altura e 1,4 metro de largura). Enfileiradas, as páginas cobririam uma distância de 95 km.
A ideia, segundo ele, era conseguir materializar em um objeto a complexa teia legal a que são submetidos todos que se propõem a pagar impostos de forma correta no Brasil.
O nome do livro? “Pátria amada”, pois só amando muito este país para aguentar tudo isso.
Referencias:
*Airton Guerner – MBA em Governança de TI – ICPG, Pós Graduado em Consultoria e Implantação de Software – ICPG, Bacharel em Sistemas de Informação – Uniasselvi. Trabalha na SCI Sistemas Contábeis como coordenador do suporte ao cliente  – Escrita Fiscal. Articulista do Blog Contabilidade na TV desde 2017.
Categorias: GERAL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

GERAL

Na mira de auditores

http://fenacon.org.br/noticias/na-mira-de-auditores-2383/?utm_source=akna&utm_medium=email&utm_campaign=Press+Clipping+Fenacon+-+29+de+agosto+de+2017 Não se trata de gerar temor no ambiente corporativo, mas mostrar tentações O momento é histórico. As delações premiadas estão abrindo o livro de um Brasil que todos imaginavam existir, mas que faltava ser Leia mais…

GERAL

O conflito positivo de competência entre o CADE e o BACEN na análise dos atos de concentração de instituições financeiras

https://jus.com.br/artigos/52968/o-conflito-positivo-de-competencia-entre-o-cade-e-o-bacen-na-analise-dos-atos-de-concentracao-de-instituicoes-financeiras?utm_source=boletim-diario&utm_medium=newsletter&utm_content=titulo&utm_campaign=boletim-diario_2017-08-23 Victor Pegoraro O presente artigo tem por objetivo analisar o conflito positivo de competência entre o Conselho Administrativo de Defesa Econômica e o Banco Central do Brasil em relação à análise dos atos de Leia mais…