https://ebradi.jusbrasil.com.br/artigos/493302984/direito-tributario-requisitos-obrigatorios-do-termo-de-inscricao-na-divida-ativa-e-nulidade?utm_campaign=newsletter-daily_20170830_5905&utm_medium=email&utm_source=newsletter
Conheça aspectos importantes sobre a dívida ativa tributária.
Publicado por EBRADI
A dívida ativa tributária, nos termos do artigo 201 do CTN, consiste naquela proveniente de crédito dessa natureza, regularmente inscrito na repartição administrativa competente, depois de esgotado o prazo fixado, para pagamento, pela lei ou por decisão final proferida em processo regular.

Isto é: caso contribuinte fique inadimplente, será inscrito na dívida ativa, possibilitando assim a cobrança judicial. Pois, a partir da inscrição nos livros da dívida ativa, o crédito exigível (pelo lançamento) passa a ser também líquido e certo, tornando título executivo extrajudicial.

Certidão da Dívida Ativa (CDA), nesse sentido, é o documento hábil (título) para ingressar com a ação de execução fiscal, pois demonstra a certeza, liquidez e exigibilidade do crédito.

São requisitos obrigatórios do termo de inscrição na dívida ativa:

a) o nome do devedor e sempre que possível o domicílio ou a residência;

b) a quantia devida e a maneira de calcular os juros de mora acrescidos;

c) a origem e natureza do crédito;

d) a data da inscrição;

e) sendo caso, o número do processo administrativo de que se originar o crédito.

Vale mencionar que, nos termos do artigo 203 do CTN, a omissão de quaisquer dos requisitos previstos no artigo anterior, ou o erro a eles relativo, são causas de nulidade da inscrição e do processo de cobrança dela decorrente, mas a nulidade poderá ser sanada até a decisão de primeira instância, mediante substituição da certidão nula, devolvido ao sujeito passivo, acusado ou interessado o prazo para defesa, que somente poderá versar sobre a parte modificada.

Importante frisar, nesse particular, que os vícios na CDA poderão ser sanados até o primeiro grau de jurisdição. Se estiver em segundo grau e for constatado o vício, teremos a nulidade da execução.

Categorias: DIREITO TRIBUTÁRIO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

DIREITO TRIBUTÁRIO

Deixar de pagar tributos no Brasil pode ser um bom negócio

http://www.contabeis.com.br/artigos/4160/deixar-de-pagar-tributos-no-brasil-pode-ser-um-bom-negocio/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+portalcontabeis+%28Contabeis.com.br+-+Not%C3%ADcias%2C+Artigos%2C+Legisla%C3%A7%C3%A3o%29 Em 31 de maio de 2017, foi publicado a Medida Provisória 783 que instituiu o Programa Especial de Regularização Tributária (PERT) junto a Receita Federal do Brasil e à Procuradoria da Fazenda Nacional. O Leia mais…

DIREITO TRIBUTÁRIO

A injustiça na tributação

http://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/artigos/a-injustica-na-tributacao-7e1ohnlkd8wa9rvdg1zvqzn2f?utm_source=akna&utm_medium=email&utm_campaign=Press+Clipping+Fenacon+-+29+de+agosto+de+2017 Querer tributar novamente um valor que já foi tributado pode gerar uma enxurrada de questionamentos judiciais por parte dos contribuintes Marco Aurélio Pitta [29/08/2017] [00h01] Terça-feira, dia 15 de agosto, começo da noite. O Leia mais…

DIREITO TRIBUTÁRIO

Igualdade e capacidade contributiva

http://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/artigos/igualdade-e-capacidade-contributiva-6y01zlrw8vpyqs3unt2svmruv?utm_source=akna&utm_medium=email&utm_campaign=Press+Clipping+Fenacon+-+29+de+agosto+de+2017 A diferença entre o que foi apurado na contabilidade e o que foi recolhido de imposto no cálculo do presumido precisa ser tributada A reforma trabalhista, a reforma previdenciária, o aumento na tributação das Leia mais…