http://www.conjur.com.br/2017-ago-14/falencia-decretada-pedido-efeito-suspensivo-recurso

Por Marcelo Galli

O fato de a falência de uma empresa ter sido decretada sem que nenhuma parte envolvida no processo tenha pedido é motivo para conceder efeito suspensivo a recurso especial pendente de julgamento. Esse foi o entendimento da ministra Isabel Gallotti, do Superior Tribunal de Justiça, para suspender, monocraticamente, os efeitos do acórdão do Tribunal de Justiça de São Paulo que anulou o plano de recuperação judicial de duas empresas e decretou a quebra delas.

Chance de as empresas fecharem as portas antes do julgamento do recurso exemplifica o periculum in mora, afirmou Gallotti.

As empresas alegaram no pedido de tutela provisória que haviam pedido a recuperação, que serve justamente para evitar a falência, por conta de dificuldades financeiras. O plano foi aprovado em assembleia geral em agosto de 2016 e homologado, mas o banco que tinha dinheiro para receber delas empresas não concordou com o prazo de pagamento e foi à Justiça.

Ao analisar esse recurso que o TJ-SP decretou a falência com base no parágrafo 4º do artigo 56 da Lei 11.101/05. O dispositivo da lei da falência somente se aplica aos casos em que a assembleia geral de credores rejeita o plano de recuperação judicial.

Acontece que o banco não pediu a falência e deixou isso claro em embargos de declaração àquela decisão. A instituição financeira afirmou que “quer receber seus créditos de forma justa e em melhores condições, porém não requereu que houvesse a decretação de falência da empresa recuperanda, pois este cenário tende a ser prejudicial para todos os credores e para a sociedade”.

A ministra lembra na decisão que a suspensão é excepcional e que só pode ser concedida quando demonstrada a probabilidade de êxito do recurso especial, o risco de perecimento de direito e teratologia no acórdão impugnado. Para ela, o caso das empresas se encaixa nessa situação. “O periculum in mora está caracterizado na iminência de serem as empresas recuperandas obrigadas a paralisar suas atividades antes do julgamento do recurso especial, em claro prejuízo ao andamento da recuperação judicial e com danos irreparáveis às empresas e aos próprios credores”, afirmou.

Clique aqui para ler a decisão.
TP 781

Categorias: SOCIETÁRIO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

SOCIETÁRIO

Governança também beneficia as PMEs

http://fenacon.org.br/noticias/governanca-tambem-beneficia-as-pmes-2404/?utm_source=akna&utm_medium=email&utm_campaign=Press+Clipping+Fenacon+-+1%BA+de+setembro+de+2017 Pequenas empresas ganham transparência com a adoção de boas práticas e elevam lucros Projetos empresariais de implantação ou aperfeiçoamento de Governança Corporativa costumam ter seus aspectos práticos ofuscados pela vasta doutrina acadêmica existente. Empresários Leia mais…

SOCIETÁRIO

A recuperação judicial na atual sistemática do regime jurídico da insolvência empresarial

https://jus.com.br/artigos/59927/a-recuperacao-judicial-na-atual-sistematica-do-regime-juridico-da-insolvencia-empresarial?utm_source=boletim-diario&utm_medium=newsletter&utm_content=titulo&utm_campaign=boletim-diario_2017-08-30 Aline Mirna Barros Vieira A recuperação é um benefício legal preventivo, que busca antever a possibilidade de enfrentar uma crise financeira ou, quando está já em andamento, possibilita a reestruturação empresarial e a readequação Leia mais…

SOCIETÁRIO

Acabou a sociedade, o que fazer?

http://contabilidadenatv.blogspot.com.br/2017/08/acabou-sociedade-o-que-fazer.html?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=2017_08_28_noticias_contabeis_da_tarde&utm_term=2017-08-29 Contabilidade na TV Você tem uma grande ideia, fala com um amigo aqui, um ex-colega de faculdade ali e, depois de longos papos, decidem abrir uma empresa. Começar a empreender não é fácil, mas Leia mais…