http://contabilidadenatv.blogspot.com.br/2017/07/equiparacao-da-tributacao-em-paraisos.html?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=2017_07_29_noticias_contabeis_do_final_de_semana&utm_term=2017-07-30
Carla Lidiane Müller para Notícias Contábeis do Contabilidade na TV*
Para as empresas situadas no Brasil e em paraísos fiscais, fica cada vez mais próxima a possibilidade de equalização das alíquotas de Imposto de Renda.
Isso porque alguns senadores veem essa equalização como benéfica para a economia nacional.
A procura de empresas brasileiras por empresas situadas em paraísos fiscais é grande hoje, justamente pela diferença da carga tributária. E com o projeto de lei PLS 535/15 equalizando para 34% a alíquota do Imposto de Renda para essas operações, estimula-se uma concorrência por igual entre o mercado nacional e as empresas em paraísos fiscais.
As empresas que buscam fornecedores em paraísos fiscais buscam muitas vezes uma saída tributária mais barata e menos sufocante que a do mercado nacional. Firmar parcerias com essas empresas pode ajudar muito, mas desvaloriza o mercado nacional, que acaba não recebendo o retorno que poderia, quando as empresas brasileiras optam por buscar em mercados estrangeiros parcerias para negócios.
Para que o capital nacional não seja mandado para fora do país, gere mais oportunidades e ganhos para as empresas brasileiras, é necessário tornar os paraísos fiscais menos atrativos, e apesar do aumento de 25% para 34% da alíquota do IR para rendimento em operações com paraísos fiscais parecer algo muito expressivo para quem já trabalha com esses mercados, talvez seja hora de parar para pensar, e ver o que há de bom no Brasil.
Muitas empresas aprenderam que a qualidade e a vantagem de ter um fornecedor brasileiro, as vezes compensa mais que a de um estrangeiro. A constituição de parcerias com empresas referências no mercado nacional, pode não ser tão difícil quanto se imagina, mas para isso o empresário tem de manter o radar sempre ligado para boas oportunidades.
Estar pronto para mudanças e reduzir as parcerias no mercado estrangeiro para investir no nacional, pode ser algo que demande tempo, e poderá ser um tanto desafiador, mas vantajoso, pois sabemos que é perigoso fazer negócios com empresas em paraísos fiscais, e algumas empresas acabaram aprendendo isso da pior maneira.
Ter uma relação de fornecedores que lhe forneça segurança, e atendimento diferenciado pode ser mais fácil de encontrar no Brasil que no exterior também.
A carência de confiança nesses belíssimos paraísos fiscais para o empreendedor, pode levar uma empresa a ter mais trabalho, pois será necessário manter um setor próprio para acompanhar as transações e a situação da empresa ao qual se mantém negócios.
Por essas vantagens apresentadas, vale a pena dar uma olhada no mercado nacional, e pensar mais nele na hora de fazer negócios.
Fontes utilizadas:
*Carla Lidiane Müller – Bacharel em Ciências Contábeis, cursando MBA em Direito Tributário. Trabalha na SCI Sistemas Contábeis como Analista de Negócios e é articulista do Blog Contabilidade na TV desde 2016.
Categorias: DIREITO TRIBUTÁRIO

Deixe uma resposta

Pular para a barra de ferramentas